Artigo publicado na Gazeta do Povo – 18/03

 O poder da fome e os que têm fome de poder

 | Katiê Muller/Arquivo Gazeta do Povo

Segundo estatística do IBGE, 16,2 milhões de brasileiros estão em situação de extrema pobreza. Isso corresponde a 8,5% da nossa população. A barriga do brasileiro é um banquete para a política. 8,5% dos brasileiros só começarão a pensar em ideologia, Estado mínimo ou Estado máximo quando pararem de passar fome.

Mas 8,5% votam e devem votar – isso é inquestionável. Estamos falando de 16,2 milhões de votos que conseguem ser captados por 16,2 milhões de refeições. Ou alguém duvida disso?

Explico aos de barriga cheia: coloque 8,5% da população a passar fome por uma semana. Ela perde a fé em Deus e em si mesma, não exatamente nessa ordem. Coloque 8,5% da população na miséria absoluta por duas semanas e ela venderá seu voto e o pouco de convicção que ainda tem por qualquer refeição. Durante este processo, dê a 8,5% da população brasileira toda a biblioteca já escrita pelo homem. Ela agradecerá profundamente e a usará para fazer sopa de papel.

A miséria de 16,2 milhões de brasileiros é, sem dúvida, a miséria de todos

 8,5% do Brasil votará em qualquer ideologia que o tire da fome, por um instante ou pelo restante de sua vida, ou seguirá qualquer demagogo que prometa erradicá-la. Primeiro, porque 8,5% do nosso povo não tem fome intelectual para discutir metafisica politica, pois está ocupado com a dor física de sua fome. A fome os descaracteriza. Tira-lhes o nome. Nós estamos falando de uma cartada de completa sujeição e controle de 8,5% do nosso povo e que pode ser dada por qualquer perverso que a saiba usar. Se o âmbito se restringir à tentação das promessas e à sedução dos discursos, basta que seja elaborado pelos malabaristas da oratória. Doutores políticos e militantes os seguirão e os defenderão arduamente; então, os 8,5% sofrerão o milagre da multiplicação dos pães.

A educação é primordial neste país. Mas 16,2 milhões de brasileiros não se formarão doutores em Medicina, Ciências Sociais, Economia, Direito, Engenharia, não se formarão no ensino médio, e nem aprenderão a ler enquanto estiverem na extrema pobreza. Primeiro, porque a consciência é produto de um processo lento. Morrer de fome é um processo menos lento. Discussão de Estado mínimo ou Estado máximo vem no restaurante, vem no café com torta, vem na mesa de jantar. 16,2 milhões de brasileiros não estão nestes “ambientes de luta”.

O dia em que qualquer ideologia deste planeta (que não esteja acorrentada à estatística do genocídio) conseguir erradicar a fome do nosso povo, será muito provavelmente absoluta. O problema é que ela nem precisa ser, basta-lhe parecer. A miséria de 16,2 milhões de brasileiros é, sem dúvida, a miséria de todos. 8,5% de brasileiros à espera do próximo arroz com feijão. Pense nisso: nas últimas eleições, Dilma ganhou por uma diferença de 3,28%.

Guilherme Bacchin é escritor.

Read More »

Advertisements

Qual Brasil? – Artigo

Com que Brasil o jovem vive hoje? Aquele sem curso, com discurso. Com o da prisão e da presidência. Com o do Senado e da Câmara. Com o do Congresso e do STF. Com o do voto e do veto. Com o da lei e da corrupção. Com o da projeção, e gráfico. Com o do editorial e Nietzsche. Com o de Deus e dos costumes. O do Novo e do recomeço. O do palco e do comício. Com o da ética e da virtude. Muito Cunha, sem cunho algum.Read More »

Artigo – Pátria Minha!

Um posicionamento político num país, num governo, nas reflexões, que já calejaram-se das mesmas e incessantes estruturas, que aí estão, e que num ciclo vicioso insistem em permanecer as mesmas, levando, invariavelmente, esse país ao ostracismo da poeira. O Brasil virou uma hecatombe, a crise virou uma commodity, consumida pela população.

Read More »

Irracionalidade intolerante

 

Na humanidade e em sua adjacente história ante esse globo terrestre tão maltratado e sucateado em suas ambientalidades, talvez nos falte a criatividade da literatura ou o encargo de filosofia em qualquer suficiência, e sua fuga talvez necessária de uma realidade real, objetiva e, mais do que isso, concreta, a que todos estamos condenados, que explique a propensão do homem ao mal  e à intolerância.Read More »